quinta-feira, 9 de maio de 2013

Curitiba: Eu vou! Parte III

Hey doces! Como prometido, vim falar um pouquinho sobre os lugares de Curitiba que eu mostrei pra vocês aqui. Desculpem-me pela demora, sabem as palestras que eu citei semana passada? Pois é, ainda faltava fazê-las na outra escola, sem contar que ontem e hoje nós temos treinamentos para passar, temos que terminar de organizar as coisas pra viagem e haja fôlego hahaha. Mas tudo pelo nosso bem. Venham comigo conferir o que eu preparei pra vocês!

Bosque do Papa
Foi inaugurado em 1980, logo após a visita do papa João Paulo II, a Curitiba. O Bosque envolve uma área de 48 mil m², onde existia uma antiga fábrica de velas. É cortado pelo rio Belém e inclui uma reserva de mata atlântica, com mais de 300 araucárias. Um ambiente agradável acolhe os visitantes do Bosque.
O Memorial da Imigração Polonesa, em Curitiba, está instalado nas clareiras do Bosque. É um museu ao ar livre que traduz a luta, as crenças, as tradições e estilo de vida daqueles imigrantes.

Catedral Basílica Menor de Nossa Senhora da Luz de Curitiba
A Catedral Basílica Menor de Nossa Senhora da Luz de Curitiba fica na Praça Tiradentes. É um dos mais importantes patrimônios culturais da cidade. Construída de 1876 a 1893, em estilo neogótico, segundo o projeto do arquiteto francês Alphone de Plas. Ocupa o mesmo local da antiga matriz do século 17, bem como o da sua sucessora, construída em 1720. Como suas antecessoras, a Catedral é dedicada e abriga a imagem de Nossa Senhora da Luz dos Pinhais, Padroeira de Curitiba. É Catedral Basílica Menor desde 8 de setembro de 1993, quando completou 100 anos.

Parque Tanguá
Inaugurado em 1996, o Parque Tanguá surpreende pela sua beleza. Envolve uma área de 235 mil m², lugar de um antigo complexo de pedreiras desativadas. O Parque Tanguá preserva áreas verdes próximas à nascente do Rio Barigüi. Possui dois lagos e um túnel artificial que pode ser visitado de barco ou à pé. O conjunto do parque inclui, também, um mirante, ciclovia, pista de Cooper e lanchonete.

Praça Garibaldi
No século 19 era conhecida como Largo do Rosário, devido à Igreja do Rosário. No final do século 19, recebeu o nome de Praça Faria Sobrinho. Em 1946, tornou-se Praça Garibaldi, em homenagem a Giuseppe Garibaldi. A Praça abriga construções históricas importantes, como o Palácio Garibaldi, a sede da Fundação Cultural de Curitiba, a Igreja do Rosário dos Pretos, a Igreja Presbiteriana Independente e o Solar do Rosário. A Praça também possui galerias de arte, lojas de antiguidades, bares e o Relógio das Flores.

Ópera de Arame
É um dos principais cartões postais de Curitiba. Inaugurado em 1992, no Parque das Pedreiras, próximo ao Espaço Cultural Paulo Leminski. A Ópera de Arame foi construída em estrutura tubular e teto de policarbonato transparente. O projeto é do arquiteto Domingos Bongestabs, professor do departamento de Arquitetura e Urbanismo da UFPR, o mesmo autor do projeto da Unilivre. Tem capacidade para 2.400 espectadores e um palco de 400m² destinado a apresentações artísticas e culturais. O cenário externo da Ópera de Arame é igualmente belo. Era o local onde funcionava uma antiga pedreira. Hoje, pode-se apreciar a mata nativa, um lago com carpas, uma cascata de 10 metros e várias espécies de aves.

Estufa do Jardim Botânico
O Jardim Botânico de Curitiba foi inaugurado em 1991, com uma área de 245 mil m². Seus jardins geométricos e a estufa de três abóbadas tornaram-se um dos principais cartões postais de Curitiba. A estufa abriga plantas características da floresta atlântica do Brasil. Sua arquitetura, em estrutura metálica e estilo art-noveau, foi inspirada em um palácio de cristal que existiu em Londres, no século 19. O Jardim Botânico conta ainda com o Museu Botânico Municipal, trilhas em bosque de araucárias, lago, quadras esportivas e um velódromo. Em volta da estufa está o espaço cultural Frans Krajcberg com exposição permanente de 114 esculturas do artista e ambientalista.

Rua 24 horas
Inaugurada em setembro de 1991 pelo então prefeito Jaime Lerner, concentravam-se na rua 24 Horas 34 lojas com atendimento 24 horas por dia. A rua possui 120 metros de extensão e 12 de largura, e sua cobertura é formada por 32 arcos . O projeto é dos arquitetos Abrão Assad (que também projetou a estufa do Jardim Botânico de Curitiba na mesma época), Célia Bim e Simone Soares. Dois grandes relógios, um em cada fachada, marcam horas em 24 intervalos, em lugar de 12. São iluminados e comandados por uma central eletrônica a quartzo.

Praça do Japão
Numa área bem arborizada de 14 mil m², no bairro de Água Verde, está a Praça do Japão. Uma homenagem à imigração japonesa em Curitiba. Seu projeto foi iniciado em 1958 e a Praça concluída em 1962. Uma reforma, em 1993, incluiu o Portal Japonês e o Memorial da Imigração Japonesa. A Praça do Japão segue as linhas tradicionais dos jardins japoneses. Possui lago de carpas, 30 cerejeiras enviadas do Japão, cerimônia de chá (às quintas) e museu.

Memorial Ucraniano
Localizado no Parque Tingüi, o Memorial Ucraniano presta homenagem aos imigrantes ucranianos de Curitiba. Inaugurado em 1995, ano em que se comemorou o centenário da chegada desses imigrantes a Curitiba. O conjunto do Memorial é composto, principalmente por uma réplica da igreja de São Miguel Arcanjo, uma casa típica, palco ao ar livre e o portal.

Palácio Garibaldi
Não falei no primeiro post sobre a parte mais importante, que é o local em que acontecerá o casamento, pois é, será no Palácio Garibaldi. Estou louca pra conhecer! E é claro que vou mostrar um pouquinho dele pra vocês né!
A Sociedade Garibaldi, fundada em 1883, nasceu da ideia de se congregar, sob um mesmo ideal, os imigrantes italianos em Curitiba. O mesmo ideal que levou Giuseppe Garibaldi a lutar pela Revolução Farroupilha no Brasil e pela unificação da Itália. Na prática, a Sociedade permitia compartilhar interesses e necessidades entre os italianos em Curitiba. A Sede da Sociedade Garibaldi, na Praça Garibaldi, em Curitiba, foi projetada por Ernesto Guaita, engenheiro e agente consular da Itália. O Palácio, iniciado em 1887, foi concluído em 1904. A fachada, em estilo neo-clássico, só ficou pronta em 1932, uma obra do arquiteto João de Mio, o mesmo arquiteto da Igreja de São Pedro. Em 1943, durante a Segunda Guerra Mundial, o Palácio foi desapropriado pelo governo e somente devolvido à Sociedade em 1962. Em 1988, o Palácio Giuseppe Garibaldi foi tombado pelo Patrimônio Histórico e Artístico do Paraná, mas continua como sede da Sociedade Garibaldi.
Prometo trazer fotos pra vocês do interior dele, se eu conseguir.

Retirei 90% das informações do site de Curitiba, na parte de Viagem/Turismo, pra quem quiser conferir mais fotos é só clicar aqui.

Eu sei que o post ficou extenso, sorry, mas é que eu estou tãããão animada que estou exagerando em tudo. Logo logo vocês vão ver novos posts sobre a viagem, só tenho mais 4 para preparar hahaha, mas é claro que eu vou juntar pra não cansar vocês.
Alguém já conheceu algum dos lugares acima? Contem pra gente!
A. x

Nenhum comentário: